Categorias
Cultos

Por que Deus criou a mulher?

Adão, ao se deparar com a mulher criada por Deus, exclamou “Esta, sim, é osso dos meus ossos e carne da minha carne” (Gênesis 2.23).

FONTE: GUIAME, CLARICE EBERT

(Foto: Getty)
(Foto: Getty)

A narrativa bíblica da criação do homem e da mulher relata que o homem estava no paraíso, mas mesmo assim, sentiu-se só. Impulsionado por esse sentimento procurou alguém que lhe correspondesse. Evidentemente, entre os demais seres criados, não encontrou ninguém com esse perfil, que estivesse à altura de suas expectativas e até mesmo de suas necessidades psicofísicas e espirituais. Deus, que se alegrara em tudo que criara até então, percebeu a solidão do homem e disse “não é bom que o homem esteja só” (Gênesis 2.18). Assim, ele criou a mulher, moldada diretamente por suas hábeis mãos.

Adão, ao se deparar com a mulher criada por Deus, exclamou “Esta, sim, é osso dos meus ossos e carne da minha carne” (Gênesis 2.23).

Uma leitura dessa narrativa bíblica pelas lentes da atual sociedade erotizada, interpretaria que essa exclamação de Adão revelaria que ele estaria vislumbrado com o porte físico da mulher e que estaria feliz porque, enfim, seus instintos sexuais seriam atendidos. No entanto, vislumbrar o relato bíblico da criação da mulher por essas lentes, pode levar ao equívoco de que a mulher teria sido criada para o homem apenas, ou principalmente, com o intuito de satisfazer seus impulsos sexuais masculinos. Sob essa ótica a mulher não passaria de um objeto sexual para atender o homem em suas demandas sexuais instintivas e fisiológicas, ou reprodutivas. Seria um objeto ou para o prazer ou para reprodução.

Outra leitura equivocada da exclamação de Adão, seria via lentes machistas. Nessa ótica se entenderia que a mulher fora criada como um ser subalterno para auxiliar e servir ao homem, um ser superior. Ela seria uma espécie de secretária competente que estaria disponível para auxiliar o homem na missão que Deus dera somente a ele. Por essa perspectiva, a mulher até obteria o reconhecimento de ser indispensável, mas como uma serva.  Ela serviria como uma auxiliar competente e indispensável, para que o homem pudesse cumprir com os mandatos sociais, culturais e espirituais, que, de acordo com essa ótica, teriam sido dados por Deus somente a ele.

Mas, se utilizarmos lentes menos embaçadas por erotizações e discriminações culturais e históricas, talvez seja possível nos aproximarmos um pouco mais da percepção da real intenção do criador para a relação homem e mulher. Parece que Adão percebeu que enfim estava diante do ser correspondente que estava à procura. Não um ser objetal nem subalterno, mas um ser igual a ele em sua humanidade. É como se dissesse “Enfim um ser humano igual a mim”. Enfim um ser correspondente em sua humanidade, com quem poderia manter comunhão, conversar, trocar vida e cuidar do mundo.

No original hebraico o nome dado por Deus à mulher foi Ezer Knegdo. O significado carrega o sentido de socorro, um auxílio sem o qual não seria possível viver. A humanidade estaria em risco sem esse socorro. O homem não conseguiria reproduzir a espécie humana sem a mulher e, além disso, não conseguiria ser humano sem outro humano correspondente.

Portanto, a exclamação de Adão “Esta, sim, é osso dos meus ossos e carne da minha carne” (Gênesis 2.23) manifesta o reconhecimento de que ele e a mulher são feitos da mesma matéria e carregam a mesma essência. E Deus, o Senhor dessa bendita criação, sela essa ideia ao afirmar que ambos, homem e mulher, são portadores da sua imagem e semelhança (Gênesis 1.26). O reconhecimento por parte do homem de que a mulher que Deus acabara de criar, era um ser igual a ele, permitiu que o primeiro casal cumprisse os mandatos de Deus numa parceria no cuidado da vida e do mundo criado.

Infelizmente após a queda relatada na narrativa bíblica, ocorreu uma ruptura dessa parceria. Homens e mulheres não conseguem mais se ver como iguais em sua humanidade. A história da trajetória humana nos conta que a mulher passou a ser vista como um ser criado nas trevas, inclinado para o mal, para o pecado e perigosamente a serviço do descaminho do homem. Ela foi destituída de razão e de alma, e considerada um ser menor, de segunda categoria. Por isso, foi segregada sem direitos à voz e expressão, tanto no ambiente familiar, como no contexto social, laboral e religioso.

No entanto, a história nos faz refletir. As reconexões promovidas pelo ato salvífico de Cristo nos convidam a reconectar com o criador e ao outro correspondente também. Dessa forma, já é possível retomar o intento do criador em promover a parceria entre o homem e a mulher. Que acabem as guerras entre os sexos e possamos ouvir em alto e bom som a exclamação que reconhece: “Enfim um ser humano igual a mim”.

Para lembramos desse reconhecimento é que existe o Dia Internacional da Mulher na agenda anual. Os mimos nesse dia podem até ser muito bem-vindos, mas sem esse reconhecimento essencial não passam de homenagens triviais com poucas ressonâncias de uma reflexão mais profunda. Que ao final, ambos, homens e mulheres, possam perceber que foram criados com a mesma matéria e essência, e que em sua missão parceira de cuidar do mundo, possam refletir a imagem e semelhança do Criador.

Por Clarice Ebert, Psicóloga (CRP0814038), Terapeuta Familiar, Mestre em Teologia, Professora, Palestrante, Escritora. Sócia do Instituto Phileo de Psicologia, onde atua como profissional da psicologia em atendimentos presenciais e online (individual, de casal e de família). Coordenadora e palestrante, em parceria com seu marido, do Ministério Vida Melhor (um ministério de cursos e palestras). Membro e docente de EIRENE do Brasil.

* O conteúdo do texto acima é uma colaboração voluntária, de total responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a opinião do Portal Guiame.

Categorias
Cultos

Direitos humanos para humanos direitos

Brasil precisa estar atento para apoiar países comprometidos com essas mesmas bandeiras, das quais também incluímos a liberdade religiosa.
Damares Alves. (Foto: José Cruz / Agência Brasil)

Diante da alta taxa de impunidade no Brasil, acabamos por criar uma aversão ao termo direitos humanos.

Na verdade, a nossa Constituição, assim como as leis federais, precisam ser regidas por esse princípio, que tem por fim o compromisso do Estado em prover uma vida decente para os seus.

Entretanto, de forma cuidadosamente equilibrada, os Direitos Humanos devem caminhar tomando como prioridade os “cidadãos de bem”, um nome popular utilizado para identificar todos as pessoas que observam a legislação, andam em retidão, não se envolvem com ações criminosas e estão preocupadas em não perpetuar atos de corrupção e desonestidade – para si e para os outros – que estão dentro da República Federativa do Brasil.

Por tal motivo, quando os brasileiros vislumbram um ministério engajado em dar atenção à Mulher, família e Direitos Humanos, regido por gestores comprometidos com o cidadão honesto, ficamos felizes e motivados.

MMFDH, capitaneado pela Ministra Damares Alves, inaugura um período de transparência e efetivada dentro dos segmentos de governabilidade do executivo.

No mesmo sentido, o Brasil precisa estar atento para apoiar países comprometidos com essas mesmas bandeiras, das quais também incluímos a liberdade religiosa.

E quando necessário, se opor veementemente a qualquer tipo de governo que promova perseguição religiosa, sobretudo aos cristãos. No vídeo de hoje, com a participação do assessor especial da Ministra Damares, o Dr. Marco Carvalho, entenderemos mais sobre o tema.

Direito Religioso é um canal formado por Thiago Rafael Vieira, Presidente do Instituto Brasileiro de Direito e Religião, pós-graduado em Direito do Estado pela UFRGS e Jean Marques Regina, 2º VP do Instituto Brasileiro de Direito e Religião, ambos advogados, professores e escritores, com pós-graduação em Direito Constitucional e Liberdade Religiosa pelo Mackenzie, com estudos pela Universidade de Oxford (Regent’s Park College) e pela Universidade de Coimbra e pós-graduandos em Teologia pela ULBRA.
Categorias
Cultos

Ministra Damares enaltece o conservadorismo durante discurso na CPAC

Por Folha Gospel

Ministra Damares durante discurso na CPAC (Conferência de Ação Política Conservador)

“Estou aqui há 24 horas e ninguém me ofereceu ainda um cigarro de maconha e nenhuma menina introduziu um crucifixo na vagina.” Desta forma a ministra Damares Alves, da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, abriu seu discurso hoje em um evento conservador em São Paulo.

Em tom missionário, ela foi responsável pelo discurso mais aplaudido da CPAC Brasil (Conferência de Ação Política Conservadora) de hoje. Ela enalteceu o conservadorismo, defendeu o governo, reclamou de ideologia de gênero e criticou “o outro lado”.

“A cada dia eu me assusto da forma como eles estão nos vendo. Eles estão incomodados porque o Brasil já mudou”, afirmou a ministra, sob aplausos.

“O presidente machista entrega para o Brasil o Ministério da Mulher. Consegue entender a loucura que está na cabeça desse povo? Eles não estão entendendo nada!”, declarou a ministra. “O presidente machista já sancionou seis leis de proteção à mulher. Chora esquerda!”

Ela havia sido convidada para falar sobre os resultados do seu ministério. Ela, no entanto, afirmou que esperou 20 anos para participar de um evento como este e pregou a organização dos conservadores. “Se a gente não se organizar, eles vão voltar”, declarou.

“Eles usam números, manipulam estatísticas, manipulam informações para jogarem sujo. Eles não estão mortos! Estão vivos!”, pregou Damares, em tom combativo. “Vocês estão falando em reeleição? Eu estou! Precisamos de pelo menos 12 anos para mudar o Brasil.”

Em defesa dos valores conservadores

As chamadas pautas de costumes foram o centro do discurso. Damares afirmou que o seu ministério respeita os homossexuais, mas não os promove.

“Respeitamos eles, mas sem fazer a promoção. Estamos lutando contra a violência contra negros, gays, indígenas. Estamos protegendo todos”, declarou.

Ela também fez referência a uma de suas falas mais polêmicas. “Quando eu falei que menino veste azul e menina veste rosa, o recado que eu mandei é que o menino vai ser menino, menina vai ser menina”, afirmou a ministra. “O governo Bolsonaro veio para dizer ‘chega de confusão no Brasil, deixa o menino ser menino’!”Damares criticou ainda as propostas de legalização do aborto e descriminalização das drogas. “Libera a maconha e protege os traficantes”, era isso que defendia a esquerda em 2014, ao se referir a um Projeto de Lei do então deputado Jean Wyllys. “O projeto não foi aprovado, ele ficou triste e saiu do Brasil.”

Crítica a arcebispo

Ovacionada, Damares ainda rebateu a declaração dada pelo arcebispo Dom Orlando Brandes horas mais cedo, em missa no Santuário Nacional de Aparecida. O religioso criticou “o dragão do tradicionalismo” e afirmou que a direita é “violenta e injusta”.

A ministra disse que o arcebispo deve “estar com medo de nós, que somos terrivelmente cristãos” e acrescentou: “o conservadorismo vai dar certo. O povo de bem se levantou e agora está governando esta nação”.

Abuso na infância

Damares acabou seu discurso em tom emocionado, ao lembrar do abuso sexual que sofreu na infância e reclamou da perseguição que tem sofrido desde que aceitou assumir a pasta.

“Foram cruéis comigo, foram muito malvados comigo. Não respeitaram a minha história, não respeitaram a minha dor. Riram de mim, riram quando eu tive a coragem de dizer pro Brasil que fui abusada sexualmente”, declarou.

Ela revelou já ter sofrido 179 ameaças de morte. “Estamos pagando nosso preço, mas a gente vai mandar um recado para a esquerda: quando a gente aceitou o desafio, sabia que não seria fácil. Pode bater, quanto mais bate, mais esse governo cresce”, conclui sobre gritos e aplausos em pé.

Assista:

https://youtu.be/MwfY9cy6gbQMinistra Damares
Fonte: Folha de S. Paulo e Jovem Pan