Categorias
Ciência Noticias

“Viver como homem não resolveu meus problemas”, diz mulher arrependida após transição

Arrependida por ter passado pela transição de sexo, a mulher disse que gostaria de ter ficado com seus seios normais e saudáveis. “Tento aceitar agora meu peito cheio de cicatrizes”, lamentou.
FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DE THE CHRISTIAN INSTITUTE
Sinéad Watson, live em seu canal no YouTube. (Foto: Captura de tela/YouTube/ImWatson)
Sinéad Watson, live em seu canal no YouTube. (Foto: Captura de tela/YouTube/ImWatson)

Sinead Watson tem 31 anos e começou a se identificar como homem a partir dos 20, adotando o nome Sean e tentando esconder o peito. Porém, não achando o suficiente para “se sentir homem”, começou a tomar testosterona e passou por várias cirurgias definitivas.

A sua “confusão de gênero” como ela descreve não resolveu a situação e o desconforto que sentia. “Viver como homem não resolveu meus problemas”, admitiu a mulher que sofreu abusos sexuais durante a adolescência.

A história de Sinead é só uma entre um número crescente de pessoas que passam pela “destransição” e que se sentem arrependidas da tentativa de mudança de sexo. No final, elas descobrem que “não estavam presas no corpo errado”.

Facilidades em obter o tratamento hormonal

Em entrevista ao The Times, Sinead contou que decidiu voltar a viver como mulher depois de ter passado por momentos difíceis, tentando levar a vida de um homem. “A ideia de que eu poderia ser um homem veio da internet”, disse ao se referir ao Tumblr e YouTube.

Ela conta que cresceu se sentindo uma ‘moleca’ e quando teve sua primeira menstruação seu sentiu “enojada e envergonhada”. Insatisfeita com os seios que estavam crescendo, disse que teve a questão da disforia de gênero agravada.

Em 2014, foi encaminhada para o “Sandyford Young People’s Gender Service” — organização que facilita tratamentos médicos e cirúrgicos para pessoas trans — em Glasgow, na Escócia.

Ela explicou como foi fácil obter o tratamento hormonal. “Obviamente, estou furiosa com isso agora, mas na época fiquei muito surpresa com o quão pouco invasivas eram as perguntas. Era como uma conversa casual”, lembra.

Em Sandyford, Sinead não foi questionada sobre as possíveis causas de sua depressão, e nem sobre as agressões sexuais que sofreu antes de receber testosterona.

Sobre as cirurgias definitivas

Primeiro ela passou por uma mastectomia dupla — remoção total das mamas — e pretendia continuar com a cirurgia genital, antes que sua depressão ressurgisse e as dúvidas se instalassem.

Em 2018, passou por uma “crise de identidade”, sentiu fortes dores abdominais provocadas pela testosterona, e então decidiu parar de tomar os hormônios.

Eu deveria ter ficado com os meus seios normais e saudáveis. Perdi essa oportunidade. Agora, estou tentando aceitar meu peito cheio de cicatrizes”, lamentou.

Ao ser questionada sobre as decisões do governo escocês de aprovar reformas tão radicais na Lei de Reconhecimento de Gênero, ela disse que “as autoridades não querem ouvir os destransicionados”.

E também apontou como “repugnante” a permissão da mudança de sexo para crianças de 12 anos. Atualmente, ela trabalha como consultora do grupo de pais Genspect — uma aliança internacional de pais, mães e profissionais que ajudam crianças e jovens que questionam seu sexo de nascimento.

O grupo representa 18 organizações de 16 países, abrindo diálogos públicos sobre os problemas do movimento que envolve questões de gênero e identidade.

A diretora executiva do grupo, Stella O’Malley, disse ao The Times: “Se a Escócia continuar nesse caminho, tememos que nos próximos anos veremos um grande número de transicionados arrependidos vivendo com problemas de saúde permanentes e complexos.

Assista (em inglês):

Categorias
Noticias

YouTube censura sermão de John MacArthur por dizer que Deus nos fez ‘homem e mulher’

A plataforma de vídeos classificou a pregação de MacArthur como “discurso de ódio”.
FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DA CBN NEWS
Sermão do Pr. John MacArthur é censurado. (Captura de tela: Grace Community Church/YouTube)
Sermão do Pr. John MacArthur é censurado. (Captura de tela: Grace Community Church/YouTube)

O pastor americano John MacArthur, da Grace Community Church em Los Angeles, pregou um sermão no domingo sobre sexualidade bíblica para protestar contra uma nova lei canadense que entrou em vigor em 8 de janeiro após aprovada pelo Parlamento.

Mais de 4.000 pastores em toda a América do Norte se juntaram nesse dia para protestar em seus cultos dominicais.

A preocupação é que o projeto de lei C-4 do Canadá tenha uma redação ampla e possa, de fato, banir os ensinamentos bíblicos sobre ética sexual e até limitar as comunicações pessoais sobre o assunto.

De acordo com a Liberty Coalition Canada, a redação do projeto de lei é ampla o suficiente para permitir “o processo criminal de cristãos que falariam a verdade bíblica nas vidas daqueles que estão presos a pecados sexuais como homossexualidade e transgenerismo”.

De pé no púlpito no domingo, MacArthur disse: “Não existe transgênero. Você é XX ou XY, é isso. Deus fez o homem e mulher. Isso é determinado geneticamente, isso é fisiologia, isso é ciência, isso é a realidade.”

“Por um lado, a realidade dessa mentira e engano é tão prejudicial, tão destrutiva, tão isolante, tão corruptora que precisa ser confrontada, mas, por outro lado, esse confronto não pode exagerar o que já existe, que é uma sensação de se sentir isolado nos relacionamentos”, disse ele.

‘Discurso de ódio’

Mas o YouTube removeu o sermão de MacArthur de sua plataforma e disse ao comentarista conservador Todd Starnes que a apresentação em vídeo de MacArthur era “discurso de ódio”.

“Nossa equipe revisou seu conteúdo e, infelizmente, achamos que viola nossa política de discurso de ódio”, disse o YouTube, segundo Starnes. “Removemos o seguinte conteúdo do YouTube: ‘Não existe transgênero. Você é XX ou XY. É isso. – Pastor John MacArthur.'”

Starnes observou em seu blog: “Em outras palavras, o YouTube afirmou a lei canadense ao banir qualquer oposição ao transgenerismo em sua plataforma”.

Jenna Ellis, conselheira especial da Thomas More Society, que representou MacArthur quando o condado de Los Angeles tentou fechar a Grace Church por desafiar as ordens de saúde induzidas pela pandemia, falou contra a censura do YouTube ao sermão de MacArthur.

“A grande oligarquia tecnológica nos Estados Unidos está implementando o equivalente à lei insana do Canadá ao censurar a verdade e o direito dos pastores de ensinar a Bíblia”, disse Ellis ao comentarista conservador. “Se os americanos não pararem a grande tecnologia, este novo regime contornará a Constituição para impedir nossos direitos fundamentais de falar e exercer religião e o impacto será devastador.”

Os críticos temem que a lei perpetue a perseguição religiosa e possa até governar conversas privadas. “Os americanos devem estar se preparando para um momento em que pastores e líderes religiosos enfrentarão perseguição por ensinar a Palavra de Deus”, alertou Starnes.

Categorias
curiosidades

Após doar rim ao namorado, jovem descobre que ele é casado

Jovem viralizou ao contar situação com ex-namorado

Gabriela Doria

Marjos Lara surpreendeu as redes sociais ao contar ter sido enganada por um ex-namorado Foto: Reprodução TikTok

Uma influenciadora digital viralizou nas redes sociais após revelar, em um vídeo, ter doado um rim para um ex-namorado e descoberto, após a cirurgia, que ele era casado. O desabafo de Marjos Lara foi feito em um tópico de assuntos do TikTok em que as pessoas relatavam experiências amorosas que terminaram de maneira ruim mesmo após “sacrifícios” por amor.

– Sem dúvida, eu ganho esse ‘trend’. Eu doei meu rim para você viver mais e quando você saiu da cirurgia sua esposa chegou – escreveu a mulher na legenda do vídeo, divulgado no último dia 7. O post já tem quase 10 milhões de visualizações e mais de 1 milhão de curtidas.

Usuários então decidiram dar o “troféu” de pior história para a influencer: “Ok, mas essa menina ganhou de todos”, disse um usuário. Outro ainda fez uma piada com a situação: “Olha pelo lado positivo, ele ficou pra sempre com um pedacinho seu”, disse outro internauta.

 

No entanto, houve quem duvidasse da história: “Não acredito em você, necessito de provas… não posso acreditar”, disse um usuário. Outros especularam que a história era para ganhar seguidores: “Acho que já estão inventando para ganhar seguidores”, escreveu mais um.

Marjos então gravou um outro vídeo, desta vez mostrando a cicatriz da cirurgia e laudos médicos indicando o procedimento.

– É muito fina [a cicatriz]. Admito que fizeram um bom trabalho – elogiou a jovem.