Categorias
Noticias

Paris literalmente nua

Paris literalmente nua

Pessoas participam de visita nudista à exibição no Palais de Tokyo em Paris, na França, em 5 de maio de 2018 – AFP
AFP

Isto é independente

Até então pudica, Paris se abre para o nudismo, cujos praticantes, em seu empenho de derrubar preconceitos, vão conquistando espaços como museu, restaurante e boliche, ainda causando objeções dos mais puristas.

A França é o primeiro destino mundial de nudismo: com 2,6 milhões de praticantes no país, a cifra supera os quatro milhões no verão, segundo dados da Associação de Nudistas de Paris (ANP).

Mas o salto das praias e dos campings para a capital é um fenômeno recente, que coloca Paris no patamar de outras cidades com mais tradição, como Berlim, Munique, Estocolmo e Londres.

“Até agora tendíamos a pensar que era melhor não nos mostrarmos” em Paris, admite à AFP Cédric Amato, vice-presidente da ANP, que calcula em 88.000 os nudistas na região da capital.

Mas vários dados mostram que a cidade, que neste domingo celebrará a primeira Jornada Parisiense de Nudismo, estava preparada para se abrir a esta prática, contando além disso com o apoio-chave da prefeita socialista, Anne Hidalgo, e de seus sócios ambientalistas.

Um restaurante nudista, “O’Naturel”, abriu suas portas no leste da cidade – transformado de forma pontual em pista de dança com DJ – e em alguns meses aconteceram eventos como uma partida de boliche com 140 participantes e um espetáculo de humor.

Mas a iniciativa com mais repercussão foi a visita, no mês passado, ao Palácio de Tóquio, um museu de arte moderna e contemporânea, que recebeu 30.000 solicitações para 161 vagas.

“Respondemos a um interesse de nossos adeptos que querem praticar na cidade, mas estas visitas também fazem com que se fale de nós”, reconhece Amato, cuja associação aspira a outras atividades em museus como o Centro Pompidou e em “monumentos históricos”.

Mas os mais puristas parecem fugir desta prolífica proposta urbana: graças à ANP e ao acordo da prefeitura de Paris, desde o ano passado é possível deitar nu ao ar livre, em um discreto mas amplo espaço situado no Bosque de Vincennes, situado no leste da cidade.

Este lugar rodeado de árvores e arbustos, para “não impor nenhuma visão a ninguém”, segundo Amato, será palco no domingo, durante a Jornada Parisiense, de uma aula de ioga e um piquenique no qual cerca de 3.000 pessoas demonstraram interesse.

Sentado junto a um grupo de amigos que conheceu ali, Johnny, de 70 anos, comemora que este lugar tenha sido “legalizado”. “Nos tira da clandestinidade e permite que se constate que aqui não acontece nada repreensível”.

Para este aposentado, o nudismo facilita os encontros: “As barreiras sociais desaparecem. Ninguém usa um boné Hugo Boss ou, pelo contrário, da Zara”, afirma.

– As mulheres, minoria –

Cerca de 50 pessoas, em sua imensa maioria homens, aproveitam os tímidos raios de sol. Em um dia quente, no entanto, pode haver até 500 pessoas – gente “demais”, segundo Johnny, que privilegia a tranquilidade em relação às atividades maciças.

Junto a ele um homem de meia idade, que se nega a dar seu nome, critica a iniciativa do Palácio de Tóquio: “Não vejo nenhum interesse nisso, tem um lado muito esnobe, tipicamente parisiense”.

Mais afastado, um casal homossexual que tampouco quer se identificar e que trabalha no setor comercial, afirma que não lhes passa pela cabeça comentar no trabalho que frequentam este lugar ou se exibir em um museu. “Eu fiquei sabendo que existia isto porque meus colegas riam disso”, afirma um deles, garantindo que se trata de um espaço muito “gay friendly”.

Nadia Sabah, uma das poucas mulheres presentes, colocou três guarda-chuvas abertos no chão para esconder seu corpo. “Com os homens nudistas não sinto nenhuma agressividade, mas me protejo dos ‘voyeurs’ em volta porque de vez em quando há alguns. Por isso há policiais por aqui”, explica.

As mulheres são minoria na prática nudista da capital, mas segundo Amato o número de adeptas à associação passou nos últimos anos de três a 70, de um total de 417 atualmente.

Sabah, que também não se uniria a umas proposta urbana porque o que a atrai é a natureza, admite que já havia vindo a este bosque anos antes para se despir dissimuladamente, “mas então a polícia me repreendia por exibicionismo”.

Categorias
Cultos

Pastor diz que o Inferno é um “conto de fadas” igual o Papai Noel

Pastor Timothy RogersPastor Timothy Rogers

Timothy Rogers, um famoso evangelista e cantor de Arkansas, está sendo criticado depois de ter declarado recentemente em um funeral que o Inferno é um “conto de fadas” nada diferente do Papai Noel.

Rogers, 38 anos, que lidera a igreja Príncipe da Paz, em Blytheville, fez seus comentários durante uma apresentação de mais de uma hora  no funeral de um jovem que ele disse não saber, mas que era da mesma geração.

“Ele (o jovem que morreu) foi para o inferno? Ele aceitou Jesus como seu …?’ Veja, todos vocês foram vendidos para uma mentira. Você foi enganado. Tudo isso é um conto de fadas. Para acreditar no inferno significa que você tem que acreditar em Papai Noel. Eu não me importo como você lida [ele]. Inferno é um lugar imaginário. E me disseram que, se algo que não tem uma explicação, deve ser imaginação “, declarou Rogers.

“Então é por isso que você pode falar sobre um inferno que você sabe que ninguém foi. Por um bilhão de anos, ninguém voltou e disse que ele era quente. Por um bilhão de anos, ninguém nunca mais voltou e lhe disse que eles estavam cantando em um coral. Eu não vim para você concordar comigo. Mas eu não me importo. Eu não vim para você concordar comigo“, disse Rogers para as pessoas que tinham lotado a igreja para lamentar a morte do jovem.

Em seu sermão, Rogers explicou que a vida é um dom dado livremente ao homem por Deus para “faça o que quiser com sua vida“. Ele descreveu a Bíblia como um manual sobre como viver a vida com sucesso. As escolhas feitas por indivíduos em suas vidas pessoais, ele disse, determinarão se eles experimentaram o céu ou o inferno.

“O inferno é o que você cria”, disse ele aos gritos de “vamos pastor”.

“É por isso que quando você lê o Antigo Testamento, o Inferno não estava debaixo da terra. Quando você leu o Antigo Testamento, o Inferno estava na Terra. Quando você leu o Antigo Testamento, o Céu não estava além do céu, quando você leu Antigo Testamento, o Céu estava no Jardim do Éden. O céu era Canaã “, disse ele. “O que eu vim lhe dizer é que você está esperando para ir para o Inferno e você foi e transformou sua vida em um inferno. Por quê? Porque você se tornou um adorador da morte.”

Robert Matthews, pastor sênior da Kingdom Vision International Churchno Mississippi, foi um dos muitos críticos que rapidamente descartou um trecho de 3 minutos da mensagem de Rogers, na qual o polêmico pregador também declarou que “quando você está morto, está feito”.

Fonte: The Christian Post (tradução e adaptação Portal Padom)

Categorias
Ciência

Pesquisa revela que 90% dos animais surgiram “ao mesmo tempo”

Criacionista afirma: “isso só reafirma o que sempre falamos na cosmovisão bíblica”

Animais na ÁfricaAnimais na África. (Foto: Reprodução / Youtube)

Um novo estudo genético abrangente aponta que 90% dos animais da terra surgiram “ao mesmo tempo” e na mesma época dos primeiros seres humanos.

O relatório, publicado na revista científica Human Evolution, examinou milhões de “códigos de barra de DNA”, coletados de 100.000 espécies de animais e descobriu que “9 em cada 10 espécies de animais no planeta surgiram ao mesmo tempo que os humanos, cerca de 100.000 a 200.000 anos atrás”.

A conclusão do estudo vai contra as bases da Teoria da Evolução, de Charles Darwin.

Segundo geneticista David Thaler da Universidade de Basel (Suíça): “Essa conclusão é muito surpreendente e eu lutei contra ela o máximo que pude”.

Especialistas acreditam que essa descoberta tem o potencial de forçar uma ampla revisão na ideia sedimentada na comunidade científica sobre a “evolução das espécies”. Outro dado levantado é a possibilidade de que um evento catastrófico tenha eliminado a maior parte da vida na terra entre 100 e 200.000 anos atrás.

Código de barra de DNA

Ao longo da última década, centenas de cientistas coletaram cerca de 5 milhões de códigos de barra de DNA de 100.000 espécies de animais em diferentes partes do globo.

Na verdade, existem dois tipos de DNA. O mais conhecido é o DNA nuclear, que contém o ‘esquema genético’ de cada indivíduo único, sendo passado dos pais para os filhos.

Já o outro tipo de DNA, encontrado na mitocôndria das células. Trata-se da mitocôndria que gera energia para a célula e contém 37 genes. Um desses é chamado de “gene COI”, usado para criar os códigos de barra de DNA. Embora todas as espécies tenham um DNA mitocondrial bastante similar, seu DNA é também suficientemente diferente para distinguir entre as espécies.

Ao analisar o COI de 100.000 espécies, os pesquisadores chegaram à conclusão de que a maioria dos animais apareceu ‘simultaneamente’. Isso pôde ser verificado porque a mutação neutra entre espécies não era tão variada quanto se esperava. Essa mutação revela pequenas mudanças no DNA que ocorrem ao longo das gerações. Seria algo similar aos anéis das árvores, que servem para estabelecer qual a sua idade.

Criação e dilúvio

O apologeta Ken Ham, do ministério Respostas em Gênesis, conhecido pela defesa científica do Criacionismo, disse que essa pesquisa apenas reafirma o que as Escrituras dizem sobre as origens da vida. Esse ‘evento catastrófico’ que alterou a vida no planeta foi o dilúvio.

“A [teoria da] evolução não estabelece que a grande maioria das espécies tenha surgido ao mesmo tempo, nem espera que elas tenham esses limites genéticos claros”, explica. “Mas isso é o que sempre falamos na cosmovisão bíblica. Na verdade, é o que os criacionistas têm dito o tempo todo, embora essa estimativa de 100.000 a 200.000 anos ainda seja exagerada, devido as arraigadas suposições evolucionárias”. Com informações Christian Headlines