Categorias
Cultos

Religião Mundial Única: O Vaticano usa Moisés para promover o ecumenismo entre os evangélicos

De acordo com diferentes meios católicos, o Vaticano está promovendo o “Encontro das Religiões Mundiais” da reabertura do Memorial de Moisés.

O cardeal Sandri, prefeito da Congregação das Igrejas Orientais, presidiu a cerimônia de abertura do Memorial de Moisés, no Monte Nebo (Jordânia). Este lugar tem sido durante séculos um ponto de encontro para as três grandes religiões monoteístas: cristianismo, judaísmo e islamismo.

Durante a inauguração, Sandri destacou a oportunidade oferecida por este evento histórico para superar as atuais divisões entre as comunidades orientais e os povos das outras religiões monoteístas, que encontram neste lugar sagrado um espaço de diálogo e encontro.

Além disso, ele expressou seu desejo de paz para os povos da Jordânia, Síria e Iraque precisamente no lugar sagrado onde, de acordo com a Bíblia, Moisés recebeu os Dez Mandamentos.

Na homilia, o enviado especial do papa lembrou “a geração mais jovem desse amado Oriente Médio”, esperando que eles possam ser “acompanhados no limiar de uma vida pacífica em seus países, na coexistência pacífica entre religiões e culturas”. em uma competição mútua pela caridade e pela construção do bem comum, e não retornar à violência “.

Lembrando o valor da liberdade religiosa, o cardeal acrescentou: “Se, como Moisés, estendemos nosso olhar para toda a terra circundante, estamos cônscios de divisões e evidências contra ela; conflitos que por décadas confrontaram o povo de um povo contra outro; o grito dos que fogem da guerra e da perseguição na Síria e no Iraque e encontram refúgio na terra jordaniana. “

Acusando a “surdez” daqueles que “têm nas mãos o destino dos povos e das nações e preferem preservar os mercados e os lucros, em vez de salvar as vidas inocentes de mulheres e crianças”, ele espera “este santuário “Reaberto no” Ano da Misericórdia, continue sendo um lugar onde os peregrinos “são” educados “em uma” experiência “de paz e convivência.

Finalmente, o Cardeal Sandri agradeceu ao rei da Jordânia por sua hospitalidade e o esforço que ele sempre fez em defesa da coexistência pacífica entre as religiões e para o grande trabalho de acolhimento de refugiados da Palestina, Síria e Iraque. Em conclusão, exortou a comunidade internacional a fazer mais para garantir a paz ea justiça entre os povos e chamado de “para a jornada ecumênica das Igrejas do Oriente” cismas foram consumados “no Oriente, onde hoje é mista o sangue dos cristãos de todas as denominações “.

   Fonte: Notícias da Ásia – Ilustrações obtidas na internet e adicionadas pelo editor deste site.
Categorias
Cultos

“Somos todos filhos de Deus”, o apelo do Papa Francisco ao ecumenismo

VATICANO.- O Papa Francisco fez um novo vídeo no qual ele declara que não importa qual religião se professa, porque “somos todos filhos de Deus”. Assim começando uma nova etapa na aliança ecumênica que foi planejada por um longo tempo. (veja o vídeo no final da nota)

O vídeo foi feito pelo Papa como um pedido ao grupo de oração e começa com a seguinte frase:

“A maioria dos habitantes do planeta declara-se crentes, isso deve provocar um diálogo entre as religiões. Não devemos parar de orar por ele e colaborar com aqueles que pensam de forma diferente”

franciscoLá, após a aparição do Papa, uma mulher diz no vídeo: “Eu confio em Buda”, então uma pessoa de origem judaica diz: “Creio em Deus”, um católico diz: “Eu creio em Jesus Cristo” e, finalmente, um muçulmano diz “eu acredito em Deus, em Allah”

O vídeo é claramente um apelo para a unificação das religiões, ou, como muitos concordam, é um chamado para uma aliança ecumênica.

oração“Muitos pensam de maneira diferente, sentem-se diferentes, buscam a Deus e encontram Deus de maneiras diferentes. Nesta multidão, nesta gama de religiões, há apenas uma certeza que temos para todos: SOMOS TODOS FILHOS DE DEUS “continua o vídeo.

Francisco salientou que, apesar do “leque” de crenças que coexistem no mundo, “somos todos filhos de Deus”.

O objetivo do vídeo é gerar uma união inter-religiosa ou ecumênica, cujo ponto central é o “amor”. (de acordo com o que eles acham que é amor)

Francisco termina sua mensagem pedindo uma difusão dela.

“Eu confio em você para espalhar o meu pedido este mês: que o diálogo sincero entre homens e mulheres de diferentes religiões traga frutos de paz e justiça. Eu confio em sua oração ” Aqui você pode ver o vídeo:

Categorias
Cultos

Teólogo aponta para fatores que formam o “sistema do Anticristo”

Mark Biltz diz que ecumenismo do papa Francisco, globalismo político e novas tecnologias preocupam
Papa Francisco e Ahmed al-Tayeb

Papa Francisco e Ahmed al-Tayeb. (Foto: CNS /Paul Haring)

Muitos cristãos ficaram indignados no início deste mês quando o papa Francisco se reuniu com um imã e assinou um “pacto religioso” que apara muitos é o ponto de partida para uma religião mundial.

Teólogo especialista em escatologia, Mark Biltz diz que esse é apenas um dos fatores que mostra como o mundo está se preparando para o Anticristo.

Em seu novo livro, “Decodificando o Anticristo e o Fim dos Tempos” [Decoding the Antichrist and End Times], ele explica como a tríade religião mundial, globalismo político e as novas tecnologias são a base para o domínio mundial. Conforme observa Biltz, esses três fatores estão bem desenvolvidos em nossos dias.

“É como um tripé”, diz Biltz. “Observe as mudanças na maneira das pessoas verem a religião, toda a tecnologia que está agora disponível para implementar essa ordem mundial, o globalismo político, onde você vê os papéis claros de Rússia, China e Irã, Síria e Israel. Essas três bases de sustentação estão se unindo ao mesmo tempo “.

O teólogo exemplifica que o governo já tem meios de acesso para monitorar suas casas e todos os nossos passos, por causa do celular. Mesmo algo tão inofensivo quanto testes de DNA poderiam dar ao Anticristo meios para tentar eliminar o povo judeu. Segundo ele, essas são as coisas que precisamos observar.

“É incrível como estamos sob vigilância – e não estou falando sobre uma teoria da conspiração”, esclarece. “Eu estou falando sobre como eles podem nos rastrear através de nossos telefones. … Realmente não há mais privacidade.”

O estudioso reconhece que, quando se trata do fim dos tempos, os cristãos passaram a maior parte do tempo tentando descobrir quem é o Anticristo. Durante a Reforma, a Igreja achava que o papa era o Anticristo.

Durante a Segunda Guerra Mundial, muitos pensaram que era Hitler. Mais recentemente surgiram teorias de apontam para outras figuras públicas.

No entanto, Biltz sempre entendeu que era muito mais importante descobrir o que esse homem faria. Passou então a estudar as Escrituras a fundo para descobrir a verdade sobre o sistema que o Anticristo colocará em prática e como ele conseguirá controlar e manipular o mundo inteiro.

“Eu senti que era mais importante traçar o perfil do Anticristo, tentar descobrir como ele opera, qual o seu modus operandi e reconhecer que o sistema do Anticristo está trabalhando entre nós agora, hoje”, diz ele no livro.

Embora o Anticristo se levantará apenas no fim dos tempos, o espírito do Anticristo já está conosco desde o início da Igreja (1 João4: 1-3). Biltz diz que esse espírito se manifesta no que ele chama de “legalização da imoralidade”.

Entre outras coisas, ele coloca nesta lista a legalização de pautas como aborto, casamento gay e drogas. “Para mim, o espírito do Anticristo é um sistema em que tentamos legalizar a imoralidade, pensando que isso justifica tudo”, encerra.