Categorias
Estudos

‘Pentecostalismo está dominando o mundo’, diz jornalista que viajou 12 países

Atualmente, o número de pentecostais é estimado em 600 milhões; em 2050, espera-se que esse número chegue a 1 bilhão, ou uma em cada dez pessoas na Terra.
FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO PREMIER
A Yoido Full Gospel Church, na Coreia do Sul, foi iniciada em 1958 e hoje tem 700.000 membros. (Foto: Thomas Schirrmache)
A Yoido Full Gospel Church, na Coreia do Sul, foi iniciada em 1958 e hoje tem 700.000 membros. (Foto: Thomas Schirrmache)

A jornalista Elle Hardy passou os últimos anos viajando para doze países tentando entender “como o pentecostalismo cresceu tão rapidamente e por que se tornou tão significativo”. Segundo ela, o que encontrou foi igualmente surpreendente, fascinante e perturbador.

A pesquisa de Elle deu origem ao livro “Beyond Belief: How Pentecostal Christianity is Taking Over the World” (Além da crença: como o cristianismo pentecostal está dominando o mundo, em tradução livre do inglês), tem um título arrogante para destacar a profundidade e amplitude do movimento, bem como sua ambição e influência.

De acordo com Elle, a popularidade da fé é algo que muitos cristãos também desconhecem: as conversões em massa no Brasil, por exemplo; os altos exemplos de desertores norte-coreanos renascendo na ferrovia subterrânea para o sul; as populações ciganas britânicas e ciganas continentais encontrando o Espírito em grande número.

Devido em grande parte às taxas de natalidade, o islamismo e o hinduísmo são os grandes competidores na corrida global por almas, mas ninguém está atraindo pessoas para a tenda como os pentecostais, afirma Elle.

De acordo com algumas estimativas, o movimento está convertendo 35.000 novos seguidores a cada dia. Atualmente, o número de pentecostais é estimado em 600 milhões – bem mais de um quarto dos cristãos do mundo. Em 2050, espera-se que esse número chegue a 1 bilhão, ou uma em cada dez pessoas na Terra.

O número de pentecostais está estimado em 600 milhões

“Quando se trata de definir pentecostais, eles tendem a ter nomes diferentes em lugares diferentes, então eu uso amplamente o termo para definir pessoas que acreditam em receber o Espírito Santo depois de nascer de novo”, explica a jornalista.

Elle diz que há evidências de que as práticas pentecostais estão influenciando grandes grupos de seguidores de Jesus, inclusive no catolicismo. “Ouvi falar de igrejas católicas tocando músicas de adoração Hillsong e igrejas ortodoxas na Europa Oriental permitindo práticas mais carismáticas por medo de perder paroquianos”, diz.

“Suspeito que a recente divisão na Convenção Batista do Sul nos Estados Unidos foi causada, em parte, pela crescente influência das igrejas guiadas pelo Espírito tanto na prática quanto na política. Existe até uma seita islâmica nigeriana adotando ideias pentecostais para impedir o fluxo de muçulmanos para as megaigrejas”, aponta.

Uma revolução social

Criada vagamente católica e agora firmemente agnóstica, Elle diz que “caí no mundo pentecostal inteiramente por acidente”. Em 2018, ela passeou seis semanas em Waco, Texas, relatando sobre a indústria pentecostal pouco conhecida, mas em rápido crescimento, de reformatórios para homens pegos solicitando prostitutas, conhecidas como “escolas John”.

“O casal que dirigia a escola não era de rótulos, e eles certamente não cortejavam a ‘mídia de notícias falsas’ a que eu aparentemente pertencia, mas eles concordaram em me deixar sentar na primeira fila para o que eles consideravam ser uma revolução social”, conta.

Ela diz que após afrouxarem sua desconfiança, esses revolucionários cristãos revelaram por que a deixaram se juntar a eles. “A inspiração para a missão deles veio de assistir a vídeos no YouTube de Christine Caine, que se formou na Igreja Hillsong em minha cidade natal, Sydney, Austrália. Ela tem liderado uma campanha nos Estados Unidos – e agora no mundo – para acabar com a ‘escravidão sexual’. Como vim a aprender, esse termo não era tudo o que talvez parecesse. O movimento coloca todas as trabalhadoras do sexo como vítimas, quando algumas trabalham por opção (como alguém me apontou, paga muito melhor do que ensacar mantimentos no supermercado). Também trabalha em estreita colaboração com a polícia – muitas vezes sem amigos dos trabalhadores da indústria – e coloca muitos homens na cadeia carcerária, muitas vezes custando-lhes suas famílias e meios de subsistência”, diz Elle, com o que afirma ter ficado desanimada por não concorda com esse trabalho daquela missão pentecostal.

Jornada da descoberta

Após visitar aquela “sala de aula” do Texas, Elle foi para congregações de Moçambique à Guatemala “que me abriram suas portas e suas vidas”.

“Antes de começar, eu pensava que os pentecostais eram do tipo tagarela e manipulador de cobras das Montanhas Apalaches. Mas logo percebi que, sem saber, frequentava uma das igrejas pentecostais mais conhecidas do mundo quando estava no ensino médio”, diz.

Graha Bethany Nginden é a maior igreja da Indonésia, com uma congregação estimada de 140.000 fiéis. (Foto: Facebook Graha Bethany)

“Meus pais ficaram profundamente desconfortáveis ​​com a família de um amigo me convidando para um espetáculo cristão em 1999 – mas há coisas piores que os adolescentes podem fazer em um sábado à noite, então me juntei a dezenas de milhares de outros em um evento típico do estádio Hillsong”, conta.

“A música de adoração pop e os altos valores de produção da Hillsong continuam até hoje. Recentemente, assisti ao culto deles no Dominion Theatre em Londres. Esta congregação jovem, multicultural, elegante e enérgica cantava cada palavra e se entregava ao momento. Mais importante, eles representam o cristianismo na Grã-Bretanha moderna”, diz.

“Há uma estimativa de 17.000 igrejas pentecostais no Reino Unido – cerca de uma congregação para cada dois pubs na Inglaterra e um pouco mais igrejas do que a Igreja da Inglaterra. Os números exatos são difíceis de obter, mas acredita-se que o Reino Unido seja o lar de cerca de 3 milhões de pessoas que fazem parte do movimento pentecostal”, assevera a jornalista.

Ela diz que os números cada vez menores em muitas congregações da Igreja da Inglaterra ou Metodistas os viram fechando as lojas e alugando seus prédios para os jovens do quarteirão.

“Foi assim que os rapazes da Light & Life [Church] se estabeleceram em Dartford: um filantropo comprou várias igrejas não utilizadas e as ofereceu às congregações por um aluguel de pimenta. A Igreja diz que agora tem 33 congregações e cerca de 20.000 seguidores no Reino Unido, o que equivale a um décimo da população cigana estimada”, conta.

Elle explica que para muitos grupos de imigrantes e minorias no Reino Unido, o pentecostalismo é fundamental para ajudá-los a navegar pela vida local. “É um fenômeno tão comum aos faxineiros domésticos quanto aos jogadores de futebol da Premier League. Em todo o mundo, um padrão está surgindo: para migrantes, minorias, pessoas que se sentem alienadas nas grandes cidades, trabalhadores pobres e pessoas cujas vidas desmoronaram, ingressar em uma igreja pentecostal geralmente é o único jogo na cidade. É tão verdadeiro nos subúrbios ingleses quanto nas favelas brasileiras ou nos municípios sul-africanos”.

“Os pentecostais provavelmente estão certos em supor que a maioria das pessoas seculares e liberais está olhando para eles e sua fé com desprezo”, diz Elle. “Encontrei pessoas de fé que criticam igualmente o evangelho da prosperidade. Mas aqui está a coisa estranha: há muitas evidências de que o evangelho da prosperidade funciona. Para cada pregador multimilionário da Rolex com um jato particular e estilo de vida luxuoso, há uma pessoa comum que se converte ao pentecostalismo e vê uma melhora em suas circunstâncias”.

Brasil tem aumento no número de evangélicos

Pesquisas descobriram que pessoas que vêm da pobreza, ou ciclos de violência e vício, têm mais chances de escapar desse mundo se ingressarem em uma igreja evangélica. “No Sul global, onde vive a maioria dos pentecostais do mundo, os países em dificuldades econômicas veem aumentos na fé. Para cada redução de 1% no PIB de um país, pesquisadores brasileiros encontraram um aumento de 0,8% no número de evangélicos.”

No geral, o estudo descobriu que “as crises econômicas levam a conversões religiosas ao pentecostalismo de outras denominações cristãs”. Mas a expansão do pentecostalismo, desencadeada por crises econômicas na década de 1990, também foi acompanhada por uma mudança nos resultados eleitorais e na produção legislativa em direção a uma agenda política religiosamente orientada. Em outras palavras, como disse um dos autores do estudo: “Essas igrejas dão às populações vulneráveis ​​uma rede de solidariedade que o Estado não conseguiu. Por sua vez, os religiosos passam a votar em candidatos políticos de base religiosa.”

“Para as coisas muito reais e importantes que a fé guiada pelo Espírito dá às pessoas, duas doutrinas em particular me perturbam: o mandato dos sete montes (7M) e a guerra espiritual. A premissa do 7M é que os sete pilares da sociedade (Educação, Religião, Família, Negócios, Governo, Entretenimento e Mídia) foram todos tomados por poderes demoníacos”, entende a pesquisadora.

“Emergindo de profetas de direita nos EUA, diz aos crentes para recuperar o controle dessas ‘montanhas’ antes que Cristo possa retornar. O principal promotor da 7M, Lance Wallnau diz: ‘o objetivo é ocupar até ele chegar, não ficar preocupado quando você for’”.

Categorias
Artigos

Avanço do Evangelho: maior canal cristão do YouTube alcança 10 milhões de seguidores

Pastor Antônio Júnior disse que o mais importante não são os números, mas as vidas. “Para Deus 1 ou 10 milhões não faz diferença, pois Ele enxerga a cada um individualmente”, disse.
FONTE: GUIAME, CRIS BELONI
Pastor Antônio Júnior. (Foto: Divulgação)
Pastor Antônio Júnior. (Foto: Divulgação)

“Ide e pregai o Evangelho por todo o mundo” é um imperativo muito comum aos cristãos. Essa possibilidade nunca foi tão real quanto nos dias de hoje. Com o avanço da tecnologia, a internet permitiu que as pessoas pudessem levar a mensagem de Deus a terras onde sequer sonham pisar.

Em entrevista ao Guiame, o pastor Antônio Júnior disse que quando abriu seu canal no YouTube, a intenção era apenas alcançar as pessoas através das imagens. “Antes, eu só escrevia posts no Instagram, Facebook e site. Mas, eu queria alcançar as pessoas que são mais visuais como eu”, disse ao contar que entende melhor a Bíblia através de filmes e ilustrações.

“Era meu sonho transmitir a mensagem de Deus dessa forma visual, didática e fácil de entender. Quando gravo vídeos, eu sempre imagino aquela senhorinha lavando louça, numa comunidade sem recursos. Penso numa criancinha que pode estar ouvindo”, ilustrou.

“Ouvi Deus falando comigo”

Ao contar sobre suas experiências com Deus, o pastor disse que recebeu a instrução de abrir uma página no Facebook, em 2013. “Foi por onde comecei. Deus disse para eu abrir uma página no Facebook, pois Ele falaria com as pessoas ali, através da minha vida”, revelou.

Em apenas três meses, já havia mais de 100 mil seguidores. “E as pessoas testemunharam muito, dizendo que Deus estava falando com elas, que as mensagens eram profundas. Tudo cresceu muito rápido. No site tinha mais de 1 milhão de pessoas acessando”, especificou.

Ao contar sobre o crescimento instantâneo de suas redes sociais, o pastor reconhece: “É de Deus mesmo. Esse ministério é de Deus”.

Antônio Júnior
“Quero que o maior número de pessoas possa se converter e seguir a Jesus para serem salvas”, diz o pastor Antônio Júnior. (Foto: Divulgação)

“Meu objetivo é alcançar as pessoas independente de religião”

“O que eu faço é pregar o Evangelho e falar do amor de Deus. Meu público alvo são as pessoas que querem ouvir e meu objetivo é somente alcançar essas pessoas, independente de religião”, destacou.

O pastor sempre faz questão de deixar claro que “conhece os dois lados”, já que se converteu aos 18 anos. Por esse motivo toma muito cuidado para não agredir a religião dos outros. “Nunca preguei de maneira agressiva. Eu só quero mostrar para as pessoas que elas também podem ter um encontro com Deus”, disse.

“Deus pode mudar a vida das pessoas assim como mudou a minha. É isso o que queima no meu coração, eu quero que o maior número de pessoas possa se converter e seguir a Jesus para serem salvas”, mencionou.

Sobre o crescimento rápido no número de seguidores

“Sei que tem muitos católicos que me seguem, espíritas e até pessoas que não seguem religião nenhuma. As pessoas ouvem a mensagem porque não têm preconceito com a palavra de Deus, elas tem preconceito de religião”, esclareceu.

Conforme o pastor, em janeiro de 2015 havia 8 mil seguidores em seu canal no YouTube e, em dezembro do mesmo ano, já havia quase 1 milhão.

Antônio Júnior compartilha que não são os números que o inspiram a continuar a fazer esse trabalho. “Para Deus não faz diferença se tem 1 ou 10 milhões, porque Ele enxerga a cada um individualmente”, considerou.

 “Eu já pensei em desistir”

O pastor revela que já pensou em desistir várias vezes. “Muitas vezes eu chorei e tive muitos levantes do inimigo, porque ele não queria que essa obra continuasse. Mas, os testemunhos das pessoas me mostraram que eu estava no caminho certo”, continuou.

“Maridos estavam voltando para suas esposas, famílias inteiras estavam se convertendo. Foram tantos os testemunhos que me motivaram a continuar nessa jornada. Muito mais do que números, são vidas. Eu valorizo cada pessoa porque sei que ela é especial para Deus”, disse.

“Eu não consigo responder a todas, mas eu queria poder dar um abraço em cada uma delas. Sei que é impossível, então eu sempre falo nos vídeos: ‘Se a gente não puder se encontrar pessoalmente aqui, teremos tempo lá na glória’. Eu digo que vamos poder celebrar o que Jesus fez por nós”, resumiu.

O pastor Antônio Júnior tem 38 anos, é formado em publicidade, grava mensagens diariamente em seu canal no YouTube que atingiu na quarta-feira (9) a marca dos 10 milhões de seguidores, com mais de 1,3 bilhões de visualizações. Trabalha como pastor auxiliar na Igreja Presbiteriana do Brasil, em Minas Gerais.

Categorias
Artigos

Hailey Bieber critica cultura da “panelinha” na Igreja: “Quando se tornou clube social?”

Em entrevista recente, a modelo revelou que já sofreu rejeição e se sentiu isolada dentro de sua congregação.
FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO THE CHRISTIAN POST
Hailey Bieber revelou que já se sentiu isolada em sua igreja. (Foto: YouTube/Hillsong Channel).
Hailey Bieber revelou que já se sentiu isolada em sua igreja. (Foto: YouTube/Hillsong Channel).

Recentemente, a super modelo Hailey Bieber criticou a cultura da “panelinha” nas igrejas, revelando que já sofreu rejeição em sua comunidade de fé.

Durante uma entrevista ao The Wall Street Journal, publicada na terça-feira passada (1), Hailey revelou que foi rejeitada por muitos irmãos em sua igreja em 2016, quando rompeu brevemente com o cantor Justin Bieber, com quem hoje é casada.

A experiência, que ela chamou de “clube social”, a fez se sentir isolada dentro da congregação. Na época, o casal era visto frequentando a Hillsong Church.

“Havia muitas pessoas no mundo da igreja que me fizeram sentir muito marginalizada. Quando a igreja se tornou um clube social? Foi uma sensação tão ruim”, disse a modelo.

Hailey e Justin, que se conheceram quando eram crianças, reataram o namoro em 2018, após se reencontraram em uma conferência da Hillsong, em Miami. Segundo a modelo, os pastores Judah Smith e Chelsea Smith da Churchome, seus amigos pessoais, foram os únicos que lhe apoiaram durante todo o processo.

O pastor Judah Smith foi quem oficializou o casamento religioso de Justin e Hailey, em 2019, em Palmetto Beach, Carolina do Sul.

Em uma entrevista para a Hillsong TV, Hailey Bieber contou que junto com o sentimento de ser rejeitada na igreja, ela também lutou contra a culpa por decisões erradas que tomou no passado, alguns meses depois de seu casamento.

A artista disse que precisou se perdoar por seus erros e deixar sua velha história para trás. “Todos sentimos vergonha pelas coisas que fizemos, mas isso não precisa definir quem somos”, refletiu.

E concluiu: “Estamos em constante evolução, especialmente em Jesus. Nosso relacionamento com Cristo está se aprofundando cada vez mais. Quem eu era antes de ser esposa, não é quem sou agora”.

Criação cristã

Filha de um americano e uma brasileira, Hailey cresceu frequentando uma igreja em Nyack, mas foi só quando se mudou para Nova York que ela realmente entrou em contato com sua própria fé.

“Quando fiquei mais velha, ficou mais difícil seguir a igreja e a Bíblia porque parecia muito adulta. Não quero me expressar mal, mas era chato. Eu não me importava mais, até encontrar uma igreja que eu achava que era voltada para os jovens. E para mim, essa era a Hillsong Church, na cidade de Nova York”, disse.

Hailey foi a um culto da Hillsong pela primeira vez aos 16 anos. “Comecei a sentir que era a minha pequena comunidade de pessoas, que também eram jovens e seguiam a Deus e estavam imersas na comunidade da igreja.

Depois, desenvolvi meu próprio relacionamento com a igreja e meu próprio relacionamento com Deus, independente de ser criada dessa maneira por meus pais. Essa foi uma jornada legal para mim”, afirmou.